Solar Unhão

Um engenho de açúcar à beira-mar. Embora esteja situado em área urbana, o conjunto arquitetônico que compõe o Solar do Unhão era, no século XVII, um complexo do mesmo tipo dos engenhos encontrados na zona da mata: com casa-grande, capela e senzala. A propriedade pertencia a Pedro de Unhão Castelo Branco, que residiu no solar a partir de 1690, e deixou de herança o nome de um dos mais belos cartões postais de Salvador.

No local onde antes os escravos dormiam, funciona um restaurante de comidas típicas. A casa grande abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia. E a capela continua uma bela homenagem à Nossa Senhora da Conceição. Dizem que ainda hoje o Solar do Unhão é povoado pelas almas dos antigos escravos, mortos nas masmorras e salas de tortura. Se elas estão lá, nada falam: se calam ao ouvir o jazz das tardes de sábado, se juntam às pessoas que vão lá apreciar tanta beleza.

O engenho do Solar do Unhão teve período áureo em meados do século XVIII. Nesta época, a casa-grande recebeu painéis de azulejo português, um chafariz e a capela foi reedificada para homenagear Nossa Senhora da Conceição. Mas com o declínio da economia açucareira, o Solar foi ar-rendado, período em que passou por um processo de desgaste. Nas instalações do engenho de açúcar funcionou uma fábrica de rapé, entre os anos de 1816 a 1926, e trapiche, em 1928. O solar serviu ainda de depósitos de mercadorias destinadas ao porto e, mais tarde, foi transformado em quartel para os fuzileiros navais que serviram na Segunda Guerra Mundial.

 
Home  |  Voltar
 
Home   |   O Hotel   |   Acomodações   |   Serviços   |   Tarifas   |   Conheça Salvador   |   Reservas Online   |   Trabalhe Conosco   |   Fale Conosco


Hotel Pirâmide

Pousada Pirâmide do Sol LTDA

Telefone: (71) 3431-2111

WEBSID Internet
     
      Acesso Restrito | Webmail